Mitos e verdades sobre o crédito com garantia de imóvel

Crédito Consciente 26/09/2017 | 6:49

O crédito com garantia imobiliária é uma forma de empréstimo ainda pouco conhecida no Brasil. Isso porque muitas pessoas têm receio só de ouvir falar em colocar sua casa, apartamento ou sala comercial no contrato.

No entanto, essa é uma modalidade de crédito mais prática, que oferece juros bem mais baixos e prazos mais longos que o empréstimo pessoal ou o rotativo do cartão, por exemplo.

Se as taxas são melhores, por que as pessoas não utilizam mais essa forma de crédito? Para responder essa questão, vamos esclarecer alguns mitos e verdades sobre o tema.

O banco quer ficar com o seu imóvel. Mito!

Quando se fala em colocar o imóvel como garantia, muita gente logo pensa: “O banco quer mesmo é tomar minha casa”. Na verdade, é exatamente o contrário.

Os imóveis são utilizados apenas como garantia e as instituições fazem de tudo para não ter que recorrer a ela. Para o banco, um imóvel é como um seguro de carro: a gente contrata, mas espera nunca utilizar.

Muitas vezes, inclusive, os bancos propõem a renegociação da dívida ou do prazo para evitar a alienação do bem, que só ocorre em último caso.

As taxas de juros são mais baixas. Verdade!

A oferta de juros menores é a principal vantagem do crédito com garantia de imóvel. E o motivo é simples: diferentemente de outras modalidades de empréstimo, essa opção é assegurada por um bem de valor superior ao crédito oferecido, diminuindo o risco para o banco, que pode então conceder taxas menores.

Para se ter uma ideia, enquanto os juros do cheque especial chegam a 13% ao mês, no CredFlex do Banco Inter, há taxas a partir de 1,29% + IPCA. Ou seja, é mais vantajoso obter um empréstimo com garantia de imóvel.

Outra vantagem é que esse tipo de empréstimo tem processos mais rápidos de liberação. No CredFlex Premium, por exemplo, os recursos podem ser liberados em apenas três dias úteis!

O dinheiro deve ser usado para uma finalidade específica. Mito!

Este é mais um mito quando se fala em crédito com garantia de imóvel. Usar uma casa ou apartamento para garantir o empréstimo não quer dizer que o cliente precise utilizar o recurso para reformá-lo, ou para adquirir um novo imóvel.

O crédito pode ser utilizado para qualquer finalidade, como investir em um negócio, quitar dívidas mais caras ou mesmo fazer uma viagem.

Posso oferecer um imóvel não quitado como garantia. Verdade!

Não ter o imóvel totalmente quitado não é problema na hora de utilizar o crédito com garantia imobiliária. Nesse caso, é feito um refinanciamento, que funciona assim: o banco concede o crédito e utiliza parte do recurso para pagar a dívida restante.

Como exemplo, vamos usar um imóvel avaliado em R$ 300 mil, com saldo devedor de R$ 50 mil. Se ele for colocado como garantia para um empréstimo de R$ 150 mil, o banco utilizará R$ 50 mil para saldar a dívida do primeiro financiamento e depositará os outros R$ 100 mil na conta do cliente.

O imóvel oferecido como garantia não pode ser vendido. Mito!

Outra preocupação comum de quem procura procura o crédito com garantia de imóvel é a impossibilidade de vendê-lo enquanto durar o contrato. Mas esse também é um mito, já que é possível, sim, negociar o bem antes do fim do contrato.

Nesse caso, ao adquirir o imóvel, o comprador deve quitar o saldo devedor junto ao banco, que dará baixa na alienação fiduciária. O valor restante será então repassado ao proprietário. A operação é bastante simples e basta que as partes estejam de acordo e formalizem essa transação em contrato.

Agora que você já conhece a segurança e a facilidade do crédito com garantia imobiliária, faça uma simulação do CredFlex e conheça todas as vantagens!

Convide um amigo
para conhecer a
Conta Digital do Banco Inter