A previdência privada se tornou um investimento muito procurado pelos brasileiros nos últimos anos. Afinal, com ela você investe no seu futuro e ainda pode usá-la como complemento da previdência do nosso conhecido INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). 

As vantagens são muitas, assim como as dúvidas que podem surgir sobre o assunto: PGBL ou VGBL? Regressiva ou progressiva? Quais as vantagens pra o meu imposto de renda? E o resgaste? Tem alguma taxa? 

Haja fôlego para explicar tudo isso, não é? Pensando nisso, trouxemos nesse texto várias respostas pra que você entenda a previdência privada e descubra se ela é uma boa opção pra você.  

Primeiros passos 

Vamos começar explicando o que é a previdência privada: um investimento a longo prazo que poderá ser usado na sua aposentadoria. Quando você cria um plano de previdência uma parte do seu dinheiro será aplicada nessa reserva financeira e depois de um certo período poderá ser resgatado. 

>>> Como não depender só do INSS? 

Ela pode ser feita por qualquer pessoa e quanto mais cedo começar, melhor! Quanto mais anos de contribuição, maior o montante para realizar o resgate. 

Quais as vantagens? 

Pra falar sobre vantagens não podemos deixar de relacionar com o contexto atual da previdência. Há alguns anos a reforma da previdência pública já era ponto de discussão. Isso fez com muitas pessoas optassem por buscar uma modalidade alternativa: a previdência privada. Agora que as mudanças foram feitas no INSS, em novembro de 2019, a procura aumentou mais ainda. 

Afinal, com a previdência privada você tem uma proteção a mais ao seu futuro e pode escolher a forma como irá fazer isso.  

Outra vantagem é o desconto no Imposto de Renda. Na modalidade PGBL (calma, já te explicamos o que é isso!), você consegue abater até 12% da sua renda tributável anual, se for contribuinte do INSS e fizer IR pelo modelo completo. Uma economia e tanto, né? 

Além disso, a previdência privada não entra em inventário. Ou seja, em caso de falecimento e dependendo do tipo de resgate (vamos falar sobre isso também!), o dinheiro vai diretamente aos beneficiários escolhidos no início do contrato. 

Descubra se previdência privada é a melhor opção 

Já chegou até aqui, mas ainda está na dúvida se a previdência privada é pra você? Uma boa forma de descobrir é analisando a maneira que você age financeiramente para atingir seus objetivos.  

  • Não tenho tempo ou não conheço o suficiente para fazer minha gestão financeira 

Muitas vezes a questão financeira pode parecer um tanto complexa e com a correria do dia a dia, nem sempre temos tempo para aprender tudo sobre um tema. Se esse é seu caso, a previdência privada é uma ótima opção pra você. Isso porque você conta com o fundo de previdência. Esse fundo é gerido por profissionais de recursos e são eles que decidem onde seu dinheiro será mais bem investido. Ou seja, você não precisa se preocupar e ainda aproveita a vantagem de ter seu dinheiro gerido por quem entende do assunto. 

  • Não consigo guardar dinheiro 

Outro comportamento muito comum é a dificuldade de economizar. Todo mundo conhece alguém que não tem muita disciplina quando o assunto é dinheiro, né? E se esse é o seu caso, a previdência privada pode ser a solução. Com ela, a quantia poderá ser debitada automaticamente da sua conta todos os meses, na data que você escolher. Assim, você tem mais comodidade e garante que seu dinheiro será investido sem dor de cabeça. 

PGBL ou VGBL: qual escolher? 

Apesar dessa sopa de letrinhas parecer confusa, escolher é bem simples. Tudo depende da forma como você faz a sua declaração de imposto de renda. 

Na modalidade PGBL (Plano Gerador de Benefícios Livres) é possível abater o valor das aplicações na base de cálculo do IR, até o limite anual de 12% da renda tributável. Por isso, ela é indicada para quem faz a declaração de Imposto de Renda pelo modelo completo

Funciona da mesma forma que as deduções de plano de saúde, por exemplo. A cada ano você paga um valor menor de imposto de renda. E quando for fazer o seu resgate, pagará Imposto de Renda sobre o montante total acumulado (parcelas + rendimentos). 

>>> Saiba mais sobre o benefício fiscal da PGBL 

Enquanto isso, a modalidade VGBL (Vida Gerador de Benefícios Livres) é mais indicada para quem declara o Imposto de Renda no modelo simplificado.

Isso porque, a aplicação não é dedutível na base de cálculo do IR e o imposto é cobrado sobre os rendimentos da aplicação, ao invés de todo o montante. 

E a tabela: regressiva ou progressiva? 

Outra escolha importante na hora de fazer a previdência é escolher entre uma tabela regressiva ou progressiva. 

Na tabela regressiva, o valor da alíquota (porcentagem que será descontada) diminui com o passar dos anos. Ou seja, nos primeiros 2 anos são descontados 35% de alíquota, mas depois de 10 anos, você só paga 10%. 

Por isso, esse investimento é indicado pra quem tem planos a longo prazo, como a aposentadoria, por exemplo. 

Já a tabela progressiva é a mesma usada na tributação de salários. Ou seja, quanto maior o valor do benefício anual e mensal ou do resgate, maior será o valor da alíquota. Como aqui a porcentagem tem mais influência do valor e não do tempo, ela é mais indicada pra quem tem objetivos a curto ou médio prazo, ou quem tem um benefício isento de aliquota. 

O ideal é que você entenda primeiro qual o motivo de fazer a sua previdência privada (aposentadoria? Pagar a faculdade do filho? Em quanto tempo quero resgatar?) e, depois, é só comparar com os tipos de tabela e modalidades possíveis para escolher a previdência mais vantajosa para o seu caso.  

Formas de contribuição 

Ao fazer sua previdência privada também é necessário escolher o tipo de contribuição que será feita. Em nossa plataforma de investimentos temos três opções de contribuição: fazer somente um aporte inicial; fazer um aporte inicial e as contribuições mensais; ou somente as contribuições mensais. 

As três opções são bem flexíveis, ou seja, você poderá alterar a qualquer momento. Se resolveu fazer somente um aporte inicial, por exemplo, mas depois de um tempo viu que também poderia contribuir mensalmente, basta solicitar a alteração pela Central de Atendimento da Icatu pelo número 0800-285-3000

Tipos de resgate 

Também é importante que você conheça os tipos de resgate que pode fazer. São 2 tipos para escolher:  

Resgate total: você resgata todo o valor a qualquer momento, dentro do prazo de carência.  

Resgate Parcial: pode resgatar pequenas parcelas da reserva quando achar necessário, a qualquer momento.  

Então, depois de certa idade (definida por você), é possível receber o valor investido nessas duas formas: 

Renda mensal vitalícia: é estipulado um valor mensal que você receberá durante toda a vida.  

Renda mensal vitalícia com prazo certo: assim como a renda mensal vitalícia, você também recebe um valor estipulado, mas decide quando vai querer começar a receber. Por exemplo, você escolhe começar a receber daqui a 15 anos, então quando completar esse período começa o recebimento. 

A diferença é que aqui você escolhe o prazo que deseja receber e em caso de falecimento, o beneficiário recebe o restante até o fim do prazo que foi estipulado. 

Fundos de investimento 

“Tudo bem, vou fazer uma previdência privada. Mas qual fundo de investimento eu escolho?”  

Pra responder essa pergunta você deve analisar qual o seu perfil de investidor e quais os riscos está disposto a correr ao fazer o investimento. 

Em nosso aplicativo, você encontra todos os fundos classificados por cor: dos mais arriscados aos menos arriscados. O que determina esse risco é o tipo de investimento feito pela gestora do fundo. Investimento em renda fixa, por exemplo, são classificados como mais conservadores e, portanto, têm menos risco. Em contrapartida, os investimentos em multimercado são mais arrojados e possuem mais risco. 

Para fazer seu teste de perfil de investidor só acessar o app e ir para a Plataforma de Investimentos

Quais são as taxas? 

A previdência privada tem 3 taxas importantes: taxa de carregamento de entrada, taxa de carregamento de saída e taxa de administração. 

Aqui no Inter não cobramos taxas de carregamento ou resgate. Mas vamos te explicar o que isso significa para que você possa entender melhor as opções do mercado. 

taxa de carregamento de entrada é uma taxa adicional cobrada a cada aporte. Por exemplo, se for investir 100 reais e a taxa de carregamento for de 1%, apenas 99 reais serão, de fato, investidos. Já a taxa de carregamento de saída é cobrada quando é feito o resgate do montante.  

Ambas podem influenciar na sua rentabilidade, por isso, é importante ficar atento para não ter prejuízos. Mas como aqui você também não tem essas taxas, o único desconto é a tributação de acordo com a modalidade que escolheu. Se for PGBL, o imposto será sobre todo o montante acumulado (capital + rendimentos), e se for VGBL, somente sobre os rendimentos. 

A última é a taxa de administração, que varia de acordo com cada fundo. Para escolher da melhor forma possível, fique atento!  

No Inter, as taxas vão de 0,7% a 2,5%. Em fundos de maior risco também vale a pena checar o histórico de rentabilidade do investimento, assim você fica ciente da rentabilidade, já com o desconto da taxa, e escolhe de forma mais inteligente. 

Comece hoje a planejar o seu futuro 

Nunca é cedo para começar a criar metas e realizar nossos sonhos, não é mesmo? 

Para começar a investir é só acessar a sua Conta Digital, ir para a plataforma de investimento e clicar em Previdência Privada. Lá você confere todas as informações e já assina seu termo como investidor. Simples, prático e 100% digital!  

Confira também a nossa série que te explica tudo sobre o assunto (como ninguém fez antes!) para que você entenda a previdência privada de uma vez e vire expert no assunto. 

E se precisar de alguma ajuda, também pode falar com um de nossos consultores usando o aplicativo! 

😉